terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Campanha de incentivo à leitura - por convite da querida Mariana!


E havia aquele livro... Meu pai guardava-o na cômoda de seu quarto, lá onde ninguém podia vê-lo. Lembro-me que, quando menina, de vez em quando eu o procurava. Às escondidas, segurava o volume em minhas mãos e folhava suas finíssimas páginas. Era um livro sobre medicina e saúde. Parecia ser muito importante. Na verdade, era o único volume que possuíamos... Mas valia por muitos. Matheus, meu filho, ainda era bebê quando manuseou seu primeiro livro. Tinha folhas duras e grossas, com belíssimas ilustrações de instrumentos musicais. Sempre quando viajávamos ao Brasil, recebíamos presentes em forma de livros da família e de nossos amigos. Em pouco tempo formamos na nossa casa em Copenhague uma pequena biblioteca de escritores brasileiros. Era preciso que os meninos sonhassem e se deliciassem com as histórias de nossos autores. Queria que se identificassem com os personagens desses livros preciosos, relacionando fatos e vivências do Brasil. Era a melhor forma de conhecer a cultura de meu país. Trazíamos na mala obras de Ana Maria Machado, Ruth Rocha, Dilan Camargo, Gustavo Finkler, Lígia Bojunga Nunes, Ziraldo e tantos outros. Naturalmente também descobriram a magia de Mário Quintana, de Vinícius e de Monteiro Lobato. Matheus e Christian eram também maluquinhos e viajavam pelos obras que trazíamos, matando assim, as saudades que sentiam da pátria distante. São leitores apaixonados desde muito pequenos. Eu ficava impressionada com a “leitura“ que realizavam: com o dedinho me mostravam as ilustrações e minúsculos detalhes da história que ora estávamos a ler. Livros eram como uma barra de chocolate, ricamente embrulhados... Era necessário abri-los e, de passo em passo, descobrir seus segredos deliciosos. Mais tarde, eles se impressionaram, por exemplo, com o desenho da primeira letra de cada capítulo de História sem Fim. Tiveram a oportunidade de ler Hans Christian Andersen no original, assim como Michael Ende, J. K. Rowling, Philip Pullman, Christopher Paolini e outros. Durante as festas natalinas estivemos por três semanas no Brasil. Neste período, Matheus, com 17 anos, leu quatro livros. E, entre eles, para o meu orgulho - Ensaio sobre a Cegueira, de Saramago - na versão em inglês: Blindness.



Texto ( 2011 ) e imagem: Ilaine

16 comentários:

Patricia Merella disse...

E como é bom viajar atraves dos livros.Meu João tem 6 anos e começa a ler agora,assim que ele dominar irei alfabetiza-lo em Portugues de Portugal,ele ainda não conhece o Brasil,mas já tem livros de Monteiro lobato e outras para ler.Mi diz todos os dias que quer escrever sua propria historia,rs...bjkas amiga querida.

Claudia Caprecci disse...

Incentivar a leitura é incentivar o poder de decisão sobre nossas vidas.
Sem o conhecimento e tudo o que ele oferece ficamos amarrados, a mercê da sorte.
Belíssima e necessária campanha Ilaine!
Estava sentindo falta desse cantinho sempre tão especial e de nossas "conversas".
Aos poucos vou voltando.
Beijo no coração minha amiga querida!

Vânia Pinho disse...

A leitura é uma ótima maneira de viajar sem ter que sair de casa...ela nos leva aos lugares mais belos do mundo.
Meus filhos desde pequenos adquiriram o hábito da leitura, sempre que íamos ao shopping entravamos em livrarias e ficávamos horas por lá e quando eu não queria entrar por falta de tempo eles me puxavam e pediam por favor para entrar só um pouco. Infelizmente o meu enteado( que mora conosco agora ) não tem esse hábito...odeia estudar, odeia escola e ler pra ele é um castigo, faço de tudo amiga para ver se ele toma gosto pela leitura mais tá difícil.

bjus

mel e jasmim disse...

Olá minha querida,
realmente a leitura está a cair em desuso. Eu mesma começo a notar que esta Era dos computadores rouba muito tempo à leitura. Sabe, quando estamos de férias, não vemos televisão, não usamos computador, não vamos ao cinema, passamos o serão em longas conversas e lemos mais do que um livro. Claro que tudo é um hábito. O meu marido é médico, pouco tempo tem livre mas, o que tem, é para ler.
Eu estou a ficar descuidada. Obrigada por este incentivo.
Beijos de Portugal
mel e jasmim

Marly disse...

Ila, minha querida amiga,

Acho que você fez muito bem em incentivar os seus filhos à leitura desde bem cedo e também em os apresentar à nossa literatura. Eu amo os livros, acho que eles são objetos muito preciosos, rsrs. Parabéns por fazer parte desta campanha!

Beijo!

Marion disse...

Ah, q lindo teu post para o tema! É muito bim er os filhos se tornando leitores, né? Kerstin gosta muito de ler e, desde pequena, tem sua própria biblioteca!!! Abs.

Ana Paula A. Serafim disse...

Ila, que lindo esse incentivo aos filhos. Quando ter os meus, quero mostrar à eles a beleza e a fantasia da leitura também.


bjs, Ana

Lorena Viana, disse...

Ilaine o hábito aqui em casa é hereditário. Cresci vendo minha mãe com um livro em mãos, sempre que estava em casa e tinha uma folguinha, lá estava ela lendo! Fui incentivada a leitura pequenininha e hoje minha filha, que tem apenas dois anos, vive pra cima e pra baixo com seus livrinhos de história. Espero que esse hábito se prolongue de geração a geração.

Beijinho afetuoso!
Maravilhoso dia.
Lorena Viana

Sandra Lima disse...

Eu sempre li muito e fiz questão de incentivar meus filhos a fazerem o mesmo desde pequenos. Hoje, os livros são uma constante na vida deles.
Imagino o quanto os seus filhos não devem ter sonhado com as aventuras de personagens que viviam em um país tão distante, tão diferente do universo onde eles cresciam. Foi uma excelente escolha a que você fez, de manter a ligação com o Brasil através dos livros.
Beijos

Decora Adora disse...

Realmenmte la lectura es una buena manera de viajar y transportarse a cualquier lugar y situacion. Iliane a mi me encanta leer tengo poco tiempo ,pero me gusta mucho
cariños

Teresa disse...

Adoro essas memórias dos livros de nossa infância. Do fascínio que sentíamos por eles mesmo antes de sabermos ler... acho que isso fica em nós.
Saibamos passar esta paixão para as próximas gerações. Essa é uma das maiores riquezas que lhes podemos passar.
Beijo no coração,
Teresa

emiliano norma disse...

Os livros nos proporcionam possibilidades inestimáveis. Entramos em cenas, identificamo-nos com personagens, conhecemos novos lugares, diferentes visões. É muito bom passar este prazer para os filhos.
bjs

Saron disse...

Oi Ila,
Bacana essa campanha sobre incentivar a leitura.
Quando li sua historia recordei que o primeiro presente que ganhei da minha mãe foi justamente um livro.Desde então me apaixonei por livros e adoro ler.Bjos

Mariana disse...

Ila, que bom que gostou da proposta desse selinho que com carinho te dediquei! Linda história, e de fato você conseguiu criar uma ligação entre seus filhos e o Brasil, mesmo sem eles estarem lá no dia-a-dia. Engraçado essa primeira lembrança que você tem de um livro, do seu pai. Eu tenho a minha primeira memória de um livro, que minha mãe me deu quando eu tinha 5 anos, onde mal sabia ler, mas ela mandou fazer um livro especialmente para mim. Escreveu uma história, e foi a uma editora pedir para ilustrarem e imprimirem, mas tudo muito bem feito, com capa dura, impressão perfeita, e haviam várias ilustrações minha, dos meus primos e do meu irmão, enquanto minha mãe lia a história eu olhava as imagens e ficava maravilhada de saber que a história que estava ouvindo e vendo nas figuras era a minha! Desde então eu me apaixonei loucamente, ela me deu mais uns 5 livros como esse conforme eu crescia, depois comecei a me interessar por coisas mais elaboradas, de escritores famosos, e foi assim que passei a amar a leitura. Graças a uma bela ideia de minha mãe, que por sua vez, me deixou uma lembrança dela muito forte, em todo tempo livre que tinha a encontrava lendo na cama com o óculos na ponta do nariz. Ai ai... Lembranças... Que delícia! Muito bom vir aqui, como sempre, você me inspira. Grande beijo :)

CASA DE FIFIA disse...

OLà Ile
eu também sou uma leitora apaixonada, na minha casa, não tinha TV, meus pais eram muito podres para poder comprar esse luxo, mas não fazia falta, porque na minha cidade tínhamos uma belíssima biblioteca publica, onde li todos os grandes clássicos da literatura mundial.
e estou transmitindo essa paixão a meu filho, que ainda não sabe ler, mas adora ouvir as historias que eu conto a ele.
também li historias sem fim, e amo aqueles livro.

bacione

Teresa Aparecida de Aquino Soranso disse...

Livro é tudo de bom! Leio desde pequena, até as revistas Globo Rural de meu pai faziam parte da minha iniciação, rsrsrsrs
Vc fizeram certinho, incentivaram desde pequenos. O maior erro dos pais é ignorarem isso, não lerem também e delegarem tudo à escola. Digo isso pq esse foi meu discurso anos a fios aos pais de meus alunos. Bjs