26 outubro 2016

Outono em Copenhague

Passeio pelo parque. O vento sopra. Folhas caem. 
O outono traz em seu fascínio... vestígios de melancolia, 
que inspiram e que envolvem. 
De forma lenta e harmoniosa, 
a natureza cobre o mundo com lindas cores e a estação fria... 
já não tarda. Há por aqui um tanger de tranqüilidade, 
um excesso de quimeras. 
E eu não me canso de fotografar, 
de sentir, de participar de toda esta magia.















22 setembro 2016

Subjuntivos

Que possamos ser pessoas meigas… num mundo, 
tantas vezes, rude e impetuoso. 
Que as decepções não nos façam feridas e que elas… 
nos impulsionem a refazer caminhos. 
Que, apesar das dificuldades, possamos reagir 
e reencontrar ternura e a delicadeza. 
E que nada, nada roube a nossa fé 
e, tampouco, nosso amor.




19 setembro 2016

Nômades

A vida é uma constante busca. Na verdade, nunca estamos completos e, nem tampouco, perfeitos. A cada dia amadurecemos, a cada dia temos novas experiências… e elas nos modificam. A busca concede encontros. Em nossa trajetória, vamos descobrindo outras formas de ser feliz e, automaticamente, sonhamos outros sonhos. A jornada nos abre horizontes e novas perspectivas. Jamais paramos e em momento algum estamos realmente prontos. Em nossa essência, somos um pouco nômades - seres em transformação.


As fotos que fiz... para você 💛💚
















15 setembro 2016

Bonn

   ♡ Em agosto estivemos em Bonn. Meu marido foi para uma conferência e eu decidi acompanhá-lo. A cidade, na beira do Rio Reno, foi a capital da Alemanha durante os anos da Guerra Fria. Hoje ela é a sede da ONU naquele país. É cosmopolita, cidade universitária e cheia de arte. Em Bonn nasceu Ludwig van Beethoven, um dos maiores compositores de todos os tempos. Eu já conhecia Bonn em meu tempo de estudante, mas foi maravilhoso voltar e rever a cidade. Deixo estas imagens para você!







A casa onde Beethoven nasceu






Dálias

Queridos amigos!

Depois de muito tempo, volta a postar. 
Trouxe dálias para vocês.
É uma flor  que lembra a minha infância. 
Mamãe tinha muitas espécies e a cada ano
enterrava mais alguns bulbos na terra que ela
recebia de uma vizinha ou amiga. Eu lembro 
que eram de fácil cultivo e o resultado me fascinava.
Também aqui há muitas dálias e ao vê-las
eu simplesmente não resisto.
Tenho que fotografá-las.