06 dezembro 2010

12 novembro 2010

08 novembro 2010

19 outubro 2010

Um pouquinho de Porto Alegre...



Faz tempo que recebi estes postais da Mari... Estão em nova moldura... para não esquecer de minha cidade amada!

Rahmen von House Doctor

13 outubro 2010

30 setembro 2010

Folhagem


Folhas em forma de coração...

15 setembro 2010

Presentes brasileiros de minha amiga Ione!


Trabalhos com cipó, confeccionados pelos índios Kaingang


Artesanato feito pelo povo Guarani.

Obrigada , amiga! Gostei demais!

22 agosto 2010

28 junho 2010

A vez das rosas...




No moinho dos cisnes as casas são velhas e contam coisas de outros tempos. As fachadas tem a cor natural da pedra, sem maquiagens. Os telhados são todos escuros, cobertos por telhas de ardósia. Chaminés se erguem por entre as telhas e observam incansáveis o cenário. Há muitas vidraças, mas poucas cortinas. Espaços transparentes, cheios de luz. As ruas são pequenas linhas que se entrecruzam. Elas separam as fileiras, mas encontram-se sempre em algum lugar. No moinho dos cisnes as ruas são ladeadas de jardins. E que pequenos que são... Minúsculos espaços que se transformam num milagre verdejante nas estações quentes. Arbustos floridos encortinam as alvenarias, como se estendessem sobre elas mantas coloridas. Plantas trepadeiras escalam a parede na avidez de um encontro sonhado. Inquietas, abraçam os muros com mil braços estendidos. As clematis requebram as divisórias e decoram em sublime floração. Os cisnes nadam na enseada. É lá... onde ela mora, na velha casa - no moinho dos cisnes.


22 junho 2010

10 junho 2010

08 junho 2010

Normann Copenhagen





Hoje entrei na Loja da Normann Copenhagen e... que emoção: tocava música brasileira em alto som. Isto já é quase comum por aqui. Esse povo adora a nossa música. Eu quase derreti. Em homenagem, faço este post.

A loja se localiza no bairro de Østerbro, onde moro. Nada como um espaço de um antigo cinema para abrigar e expor tantas coisas bonitas.

Imagens Google

03 junho 2010

Quarteirão dos Compositores


Casas estreitas, unidas, geminadas. Parecem de mãos dadas. O lugar onde moro é um quarteirão de casas todas iguais. Foram construídas há cem anos atrás. Moramos no Quarteirão dos Compositores - uma pequena vila dentro do Bairro de Østerbro, não longe do centro de Copenhague. Cada rua foi batizada com o nome de um compositor dinamarquês.

De minha janela olho as outras casas. Vou para a rua. Caminho e percebo o mundo pequeno, como se fosse um ninho. Trilhas miudinhas, um jardim de malvas. Há música dentro delas, são eles que estão compondo... ainda! Encontro o menino, a moça, a vovó, que me faz um sorriso. Aqui uma bola, ali a bicicleta. Trezentas e noventa e três casas. Trezentos e noventa e três castelinhos de sonhos.

Fachadas uniformes, mas nada monótonas. Cada moradia leva um traço de sua personalidade que a distingue de todas as outras: a cerca, a gérbera, um banco, o guarda-sol, a cerejeira em flor, as lanternas, o carrinho de nenê, a casa de passarinho, a roseira. Janelas sem grades, poucas cortinas, somente vidraças. Quase todas com moldura branca, ou verdes, algumas azuis. Um lugar... Quarteirão dos Compositores. Nada pomposo. Sem contrastes. Para mim... apenas bonito.


29 maio 2010

Servida?!

Lu, aFILHAda! Estou exercitando... Quando vieres, vamos fazer nossos quitutes. Manjares!

O pratinho é da Green Gate. Clique e veja quantas coisas lindas...